Editora Sinodal
Product ID: 10607
Product SKU: 10607
Resistência e Submissão

Resistência e Submissão

Marca: Editora Sinodal Referência: 10607

Carregando...

Resistência e submissão é um documento dos últimos anos de vida de Dietrich Bonhoeffer (1943-1945).    O livro contém, juntamente com um prefácio, um posfácio e numerosas notas explicativas dos editores, a correspondência de Bonhoeffer com sua família e o amigo Eberhard Bethge, apontamentos teológicos e poemas surgidos na prisão, onde o autor se encontrava devido a seu engajamento na resistência contra o regime nacional-socialista alemão.   Estas cartas e anotações são o legado teológico de Bonhoeffer para a cristandade. Este livro compreende, quanto ao tempo, os dois últimos anos de vida de Dietrich Bonhoeffer. Trata-se dos 23 meses de detenção que Bonhoeffer cumpriu em cáceres do regime nazista alemão.   A prisão, lugar de isolamento, significou para Dietrich Bonhoeffer: separação da família, de pai e mãe, irmãos e irmãs e seus filhos; separação do amigo Eberhard Bethge, dos irmãos da Igreja Confessante e dos companheiros de conspiração.   Separação do trabalho do qual fora encarregado pelo Conselho Fraterno da Igreja Evangélica da Antiga União Prussiana e dos manuscritos para uma ética; por fim, separação também da jovem noiva que ele há bem pouco tempo havia conquistado. O prisioneiro de Tegel não quis livrar-se dessa cesura, mas a encarou conscientemente: Para mim, essse confronto com o passado, essa tentativa de preservá-lo e reconquistá-lo, especialmente esse medo de perdê-lo é a música de fundo quase diária da minha vida neste lugar.   As cartas e as anotações escritas por Bonhoeffer em Tegel também são documentos desse esforço de não dar por perdidas as coisas passadas, de restabelecer, contra a invasão de fora, a continuidade com o próprio passado, a Continuidade com o próprio passado;   Quando tem êxito, o prisioneiro considera isso um grande presente, que continua a motivá-lo mesmo depois que o retorno à liberdade foi barrado pelo atentado fracassado de 20 de julho de 1944.   Ao mesmo tempo, o prissioneiro faz uso da força que jamais cede o futuro ao adversário, mas o reclama para si, e assim os registros de Tegel também devem ser lidos a partir da perspectiva com que foram formulados com vistas à futura geração, como trabalho em favor de um futuro melhor, como trabalho em favor de um futuro melhor, em função do futuro da igreja.    

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características


  • Encadernação: Brochura
  • Condição: Novo
  • Data de Publicação: 2015

Confira também